Ryan Murphy e a importância de editar suas ideias

Qualquer semelhança NÃO é mera coincidência

Ryan Murphy é produtor, escritor, vencedor de 7 prêmios Emmy e 5 Globos de Ouro e uma das mentes criativas mais inquietas do mundo do entretenimento. Tem algo que ele não sabe fazer? Sim! O queridinho da Netflix não tem o poder de editar ideias.

Se você já assistiu alguma produção assinada por ele, sabe muito bem do que estou falando. American Horror Story é uma bagunça deliciosa em que cada temporada somos presenteados (as vezes ameaçados) com enredos, subenredos, reviravoltas, 100 personagens, 200 antagonistas e ocasionalmente desfechos não muito satisfatórios.

Gosto da série, mas não posso negar a salada em que cada temporada se transforma em algum ponto. Existe algum momento no meio do programa em que Ryan Murphy olha para a tela de seu computador e pensa “tive uma ideia”. E aí que o bicho pega.

Na segunda temporada da série antológica de terror, minha favorita, são tantos antagonistas que a história poderia ser dividia em várias. Temos um assassino em série, uma freira possuída, um médico nazista e aliens. Tudo isso com os protagonistas vivendo em um sanatório comandado por uma freira carrasca. Ou o botão de delete estava faltando ou faltou um amigo para dizer “Ryan, acho que agora chega”.

Quem poderia esquecer da participação de Adam Levine como “anônimo amputado”

Murphy é um criador nato. Sou fã de seu talento, mas saber editar é um dom que se aprende. Glee, outra criação de sua autoria, também sofreu com enredos tão mirabolantes que não caberiam em um texto. Seria esse o grande charme do produtor? Uma overdose de conteúdo?

Pose é uma exceção a regra. A série que acompanha a vida de membros da ballculture é a melhor que Ryan Muphy já produziu. Recentemente, ele tomou a difícil, porém sábia, decisão de encerrar a produção após a terceira temporada. Parar no auge é sempre o melhor a se fazer. Especialmente quando teve por perto exemplos de séries que duraram tempo demais (não vou dizer Glee, mas Glee).

Enquanto temporadas de AHS continuarem a serem lançadas a fã base fiel continuará a ver. Eu também, provavelmente, menos a temporada 4 que nunca consegui terminar e me recuso a tentar pela terceira vez.

Se eu pudesse aconselhar Ryan Murphy, diria que ele tem espaço o suficiente e ideias o suficiente para criar por uma vida inteira. Não precisa juntar todas as ideias em uma temporada só fazendo a Sarah Paulson chorar por todos os crimes da humanidade.

Fiquei assim quando assisti toda a temporada 5 de AHS só pra ver a Gaga

O que vou falar agora não é criação minha, já li na internet algumas vezes e é a mais pura verdade. Ryan Murphy é o Miguel Falabella americano. Ambos são altamente criativos, cultos em referências e amam personagens caricatos e mulheres cheias de laquê em suas produções.

Musas do fumo

O Falabella americano poderia aprender com nosso conterrâneo que a simplicidade também tem um charme. Em Tomá Lá Da Cá, uma das séries mais famosas de Falabella, o cenário era sempre o mesmo, apenas as situações absurdas mudavam.

Seria o entretenimento minimalista a nova tendência? Talvez. Só sei que espero que Falabella não lance um Glee brasileiro e torço para que Ryan Murphy não comece a recitar poesia na TV aberta.

--

--

--

Jornalista que ama música, sentimentos e cultura pop.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Ana Clara Braga

Ana Clara Braga

Jornalista que ama música, sentimentos e cultura pop.

More from Medium

Word Counts and The Speed of Writing

Old Habits Die Hard. Can the Creator Economy Breathe New Life into Digital Advertising?

Monday and Tuesday, 2021–12–13 & 14

Into the Wild — Chris McCandless — Ignorance Essay